Cuidado com as “customizações” (Parte II)

Cuidado com as “customizações” (Parte II) 960 720 Cléber Piçarro

Agora que já vimos na Parte I desse artigo o que é uma customização, porque ela é necessária e quais seus principais reflexos vamos saber como diminuir seus impactos.

Como evitar e diminuir os impactos:

Obviamente, fazemos as customizações mas devemos nos esforçar para tomar todos o cuidados possíveis e sempre que possível evitá-las. Entretanto, como não é possível evitá-las totalmente, eis alguns cuidados que sugerimos:

1- Fornecedor especializado

Procure um fornecedor de sistemas especializado! Quanto mais aderente o software for ao seu ramo de negócio, menos customizações serão requeridas. Melhor ainda, quando algo for necessário, possivelmente será necessário para todos os clientes do ramo e o fornecedor do sistema fará isso em larga escala. Num passado remoto, isso era relativamente difícil. Hoje em dia, várias software houses como a Nérus se dedicam a determinados nichos.

2- Boa especificação (documentação)

Ok, não teve jeito, vai ter que customizar! Invista todo tempo necessário para desenhar e aprovar uma boa documentação. Existem várias técnicas hoje em dia como Pontos de função, BPM, Fluxogramas, DER, DFD e etc. Todas tem qualidades e fraquezas, opte por uma e siga em frente. Contudo, desde que “sistemas são sistemas” eles são compostos por telas, relatórios, arquivos e processos. Faça um protótipo ou exija que seu fornecedor adote essa prática. Usando ferramentas, desenhe as telas, relatórios, arquivos e processos. Especificações puramente compostas por texto (descritivas) são altamente frágeis e podem causar um grande desgaste. Não deixe isso ocorrer;

3- Engenharia de software

Além da documentação, a qual é parte das boas práticas de engenharia de software, existem outros cuidados essenciais que não cabem nesse texto. Escolha um fornecedor que tenha boas práticas de desenvolvimento (Ex: MPS-BR) para aumentar o nível de confiança;

4- Customizações

Mantidas de forma centralizada – o que é isso?! Simples, exija que o fornecedor mantenha as customizações guardadas na empresa dele e não na sua. Por que Ele nunca vai alegar que não sabia que havia algo inesperado. Um bom fornecedor manterá o código de forma centralizada. Isso é uma tranquilidade a mais para seus clientes. Existem vários relatos de empresas que trocaram seus sistemas especializados por fornecedores maiores e se arrependeram pois a responsabilidade de suas customizações passou a ser da empresa e não do fornecedor;

5- Contratos bem desenhados

Quando realmente não tiver jeito, faça um contrato cuidadoso. Especifique, anexe ao contrato, estabeleça cláusulas de atualização em caso de evolução de versão. Tome cuidado.

 

Lembre-se que software é como vinho, quando bem cuidado se torna maduro com qualidade. Costumo dizer  que Customizações também são como vinhos mas por outro aspecto: devem ser utilizadas com moderação e cuidado. Quando utilizadas dessa forma trazem prazer e saúde. Quando utilizadas em excesso e sem cuidado, trazem uma senhora dor de cabeça!
Até o próximo artigo!

Compartilhe