exemplos de gestão de qualidade

Validação “Pingue-Pongue”

Validação “Pingue-Pongue” 480 291 Cléber Piçarro

 

exemplos de gestão de qualidade

 

Não estamos falando de “tênis de mesa” e nem de “pingue-pongue”.

Estamos falando de “validação de sistemas” ou, melhor ainda, “validação de mudanças nos processos da empresa”.

Toda vez que mudamos um processo na empresa, seja automatizado ou não, é muito importante que validemos isso.

Em outras palavras, é importante que asseguremos se a mudança sugerida (seja em vendas, compras, estoque, etc.) atingiu os resultados mínimos esperados.

Trata-se de uma questão de manter a qualidade dos serviços prestados. Neste posts, vamos entender esse exemplo de gestão de qualidade e como funciona a validação de processos pingue-pongue.

A importância da qualidade em processos

Teste de sistemas é uma área a parte em engenharia de software e não me proponho a falar sobre isso. Vamos nos concentrar em “como” fazer pessoas chegarem a um consenso se tudo está funcionando a contento. Isto é: vamos descobrir se a qualidade de processos está adequada.

Aliás, isso é muito mais árduo do que parece.

Por isso, vamos recorrer a alguns exemplos de gestão de qualidade e processos.

Exemplo de gestão da qualidade em processo de recebimento

Vamos lá, imaginemos a seguinte situação: você pediu ao seu fornecedor de sistemas (Nérus por exemplo) que mudasse o seu processo de recebimento de mercadorias em suas lojas.

Ok, a Nérus enviou as orientações sobre quais os parâmetros do sistema devem ser ajustados. Você agradeceu, é claro, e voltou para “dentro de casa”, fez as alterações sugeridas e mandou um e-mail para todas as lojas avisando que o processo mudou.

Ótimo, tudo funcionando. Pois o sistema é realmente bem flexível e atende às demandas do varejo.

Contudo, é preciso ir além quando se trata de gestão e controle de qualidade de processos.

Vamos supor, em um outro contexto, que não funcionou!

Aliás, ficaram muitas dúvidas e o processo travou! O que? como pode um sistema completo como o Nérus não atender a uma demanda tão simples?

Voltou no suporte, registrou sua reclamação e recebeu outras orientações. Ok, havia me esquecido que trabalhava com coletores de dados e eles não tinham sido configurados. Recebeu novas orientações e por aí vamos… pingue-pongue… pingue-pongue… (daí o nome desse exemplo de gestão da qualidade e validação de processos).

Veja também: Game of Suporte: como a Gamificação pode ajudar a melhorar o desempenho de sua equipe!

Validação de processos pingue-pongue: não siga este exemplo!

Infelizmente, falando em sistemas, esta situação é muito frequente.

Obviamente temos indicadores de desempenho em nosso suporte para detectar este tipo de problema.

  • Mas o que fazer quando isso acontece?
  • Como evitar exemplos de gestão da qualidade e validação de processos como esses?
  • Qual o procedimento correto neste tipo de caso?
  • Como evitar desgastes?

Simples: pare de jogar pingue-pongue!

Em outras palavras, quando se trata de gestão de processos e qualidade, vamos parar de empurrar a dúvida ou problema de um lado para o outro.

Alguns Clientes, por incrível que pareça, resistem à isso, mas é básico. Temos que parar e fazer a validação de processos junto com o cliente, de forma síncrona.

Em alguns casos, coisa de minutos, o que pode ser feito remotamente. Em boa parte, contudo, exige um trabalho de campo, junto com o cliente para entender, ajustar e testar junto.

Simplesmente porque algumas mudanças parecem simples em termos de sistema, mas operacionalmente são complexas. Por isso, exigem capacitação para serem implementadas de maneira segura e rápida.

Parece simples, mas não é bem assim…

Em outras palavras, algumas mudanças parecem operacionalmente simples, mas podem ter reflexos severos na operação.

Antes de implementar uma mudança, estime os impactos, analise os riscos e principalmente valide na prática envolvendo as pessoas mais importantes.

Se a coisa funcionar rápido, ótimo. Se não funcionar, não insista com “pingue-pongue” convencional. Chame o fornecedor e tente fazer uma validação “síncrona” (em conjunto) remotamente.

Se ainda assim não funcionar, traga o fornecedor para sua empresa e feche isso presencialmente. Claro que se houver problema no sistema, a responsabilidade é do fornecedor. Se não houver, faz parte.

Lembrando que mudanças visam trazer melhorias (redução de custo ou aumento de receita) e obviamente, podem ter algum “preço” envolvido.

Leia em nosso blog: Nérus EAD pode revolucionar a gestão do seu negócio!

Conclusão: não deixe de fazer a validação de processos!

Sempre que fizer uma mudança em seu sistema, só comece a trabalhar depois da validação.

O Nérus é um sistema ERP para gestão de varejo que trabalha com toda transparência e segurança. Seu suporte é totalmente rastreado. O Nérus Mind é 24/7!

Veja mais: SUPORTE

Compartilhe