Usos e Costumes do Varejo

Usos e Costumes do Varejo 800 533 Cléber Piçarro
Algumas décadas atrás, demonstrando a habilidade tanto como prefeito quanto como arquiteto, Jaime Lerner (PR) foi confrontado com um desafio: qual a melhor forma de pavimentar uma praça que seria inaugurada em breve em Curitiba. Muitos debates depois, os administradores da cidade chegaram a uma conclusão que depois pareceria óbvia: “gramem tudo”. Claro, em duas ou três semanas os principais caminhos estariam demarcados naturalmente e, depois, bastaria pavimentar os caminhos e seguir com o restante do projeto. Pode até ser folclore mas foi assim que ouvi.
A respeito das críticas que podem ter, a solução trouxe excelentes resultados… Mas por que estamos falando isso num “espaço” dedicado a artigos para tecnologia e varejo? Simples! Essa é também a “natureza complexa do varejo”! Uma operação muito mais ligada a “usos e costumes” do que a uma “lógica simples”.
Como o tempo mudou isso
Depois de quase 30 anos trabalhando com diversos segmentos (Manufatura, Educação, Construção, Saúde, etc) e seus sistemas especializados (Folha de Pagamento, Controle Fiscal, Planejamento e Controle da Produção, Orçamento e Controle de Obras, etc), fica claro para mim que o desafio de sistemas para Varejo é maior que a média dos demais sistemas em determinados sentidos: (a) lógica sutil do atendimento e (b) desafios gerenciamento remoto (conectividade). Nesses dois pontos, maior inclusive que os grandes ERPs contruídos até agora com suas várias tecnologias e sua busca constante pela “generalidade” (um sistema capaz de fazer tudo em todos o segmentos). Os ERPs criados até o momento buscaram até se adequar a regras formais, gerais, lógicas de cálculo, legislação, etc.
Quando chegaram ao varejo, precisaram se adaptar, com muita dificuldade, usando as temidas “customizações”. No varejo, as empresas precisam de sistemas operacionais mais especializados, mais preparados. Sistemas Operacionais de Negócio (EOS – Enterprise Operating Systems) são sistemas que capturam as nuances do dia-a-dia do negócio do varejo com atenção especial a fraude, agilidade de atendimento para não perderem vendas, dificuldade de formação de mão de obra, velocidade, etc. Sistemas que respeitem a lógica complexa criada pelos “Usos e Costumes” sociais (do consumidor).
Para complicar um pouco mais, quando falamos de redes de lojas, redes de varejo, lidamos com outro enorme e complexo universo: a conectividade. Se você não se preocupar com isso, pode ter a melhor solução em termos de processo que ela não entregará o serviço que precisa. Você precisa de alguém que entenda isso como um todo e não apenas em parte. Precisa de especialistas em varejo para não ter que construir tudo dentro de casa com caras e frágeis customizações.
Em resumo, procure por especialistas em sistemas e processos para o varejo. Não apenas em tecnologia. Caso contrário, terá que ensinar tudo do zero para seu fornecedor trazendo custo e risco para sua empresa. A Nérus está fazendo exatamente isso, correndo atrás dos detalhes para que você não tenha que se preocupar tanto. Até o próximo post!

Compartilhe